Com talento

3/31/2007 11:12:00 PM / Posted by Daniel Alonso / comments (0)

Gosto sempre de descobrir novas musicas e artistas, mas as vezes é difícil achar algo bom por que as "musicas de trabalho" não me agradam tanto.

Howie day é um exemplo disso, quando ouvi "Collide" pela primeira vez a única coisa que me veio a cabeça foi algo a ver com Dawson´s Creek, talvez pela semelhança de uma parte da música com a música tema da série, e não é por menos que essa música tocava em "O.C.", o barrados no baile moderno... A música tem uma letra mediana e não é muito criativa em sua formação melódica, por isso eu meio que deixei Howie Day de lado por um tempo. Até me deparar com um show ao vivo dele onde ele toca "She Says" e "Ghost"...

"Ghost" é uma música onde realmente se vê o talento do cara, ele utiliza pedaleiras com as quais ele grava sons criados na hora com sua voz e violão, e "loopeando" os sons ele harmoniza a musica como se tivesse uma banda, realmente algo espetacular e que raramente se vê por aí. Pode se ver isso muito bem neste vídeo neste video onde ele canta Ghost com o "Beams of Light" outro, vejam até o final. Fantástico.

Labels: ,

Eternamente

3/18/2007 02:41:00 PM / Posted by Daniel Alonso / comments (0)

As vezes encontro sites na internet que parecem que foram feitos especialmente pra mim.

Labels:

[SANTIAGO] A lei dos mais espertos

3/17/2007 01:24:00 AM / Posted by Daniel Alonso / comments (0)

Esses dias eu vi algo que me lembrou de um episódio que aconteceu comigo, ou melhor, na minha presença, aqui em Santiago.

Nos primórdios da minha estadia aqui, quando ainda morava no hotel pago pela empresa, resolvi ir na "25 de março" local, que chama-se Franklin, para buscar móveis baratos para meu futuro apartamento. Um argentino, que também estava hospedado no hotel resolveu ir junto, pois queria comprar uma câmera para sua mulher e quiçá um notebook, mas como não ganhava muito (os argentinos ganham a metade do que os chilenos e eu ganhávamos, crueldades do poder de compra) ele tinha a perspectiva de encontrar algo no "mercado alternativo".Entenda-se por alternativo como de qualquer origem que não seja lícita, quase sempre por furto ou roubo.

Eu passei toda a viagem de metro dando sermão no cara, porque nada me dá mais raiva pena do que gente que compra coisas que sabe que são roubadas, não entendem que tudo é um ciclo, que eles NÃO estão na ponta final do processo e que simplesmente dão mais força e aumentam seu momentum, e que ao final eles são vitimas de si mesmos. Agora, obviamente minha ética é torta e a hipocrisia não, pois eu não condeno a compra de produtos "tax free" já que vivo no meu próprio conceito de livre mercado...>

Bom, enfim, como um bom argentino (podia ser brasileiro também, porque não?) ele não conseguiu tirar a idéia de tomar vantagem e seguiu adiante com a sua idéia, não encontrou nenhum notebook, mas sim um cara vendendo uma câmera digital na rua, uma câmera digital e nada mais.

Desconfiado como sou, não dei a mínima atenção para o cara, mas o argentino obviamente foi lá conferir, ele ficou discutindo preço, tomando cuidado para que a câmera funcionasse e eu segui viagem e fui ver uns móveis do outro lado da rua.

Alguns minutos depois ele aparece, feliz, com a sacola na mão dizendo que comprou a câmera por 5mil pesos (20 reais). Faço uma expressão rápida com uma sobrancelha e peço para ver a câmera. Ele abre o saco plástico tira um case de cd (onde o cara tinha guardado a câmera), abre e... puro papelão! Indescritível era a cara do meu caro amigo portenho quando viu que foi enganado, ainda mais quando se deu conta que foi enganado por um chileno, a vergonha suprema! Eu não consegui segurar (na verdade nem tentei) e comecei a rir, falei que ao menos a lição de moral custou barato pra ele.

Voltamos ao metro, o argentino ainda com cara de "wtf?" e ao passar pela estação do centro ele baixou, e foi na loja de departamentos comprar uma câmera, pelos meios oficiais....

O que me trouxe essa memória foi algo que vi em Franklin, quando fui outra vez para comprar cadeiras. Passeando pela rua lotada de gente, encontro o mesmo cara que vendeu a câmera pro argentino, agora oferecendo um Mp3 Player a uma mulher. Pensei em parar para avisar-la que era um engodo, mas pensando melhor, não adiantaria muito, pois isso é algo Darwiniano onde os mais aptos acabam por se sobrepor aos mais débeis, a lei dos mais espertos...

Labels: , , , ,

[SANTIAGO] Instrumentos de relaxamento

3/04/2007 12:36:00 AM / Posted by Daniel Alonso / comments (0)

O lugar, recém chegado da minha casa no Brasil...


A leitura, recomendada por quem entende, meu pai...


O pano de fundo, o qual fica assim por quase todo o ano...


...e relaxando.



Labels: ,

[SANTIAGO] Um lugar para chamar de (micro) lar

3/04/2007 12:10:00 AM / Posted by Daniel Alonso / comments (1)

Finalmente meus móveis chegaram! Agora sim minha vida chilena esta quase completa! Só falta um detalhe.

O ruim foi tirar fotos pra postar, já que meu apartamento não é exatamente um Parthenon...

Meu sofá, o móvel da futura TV
(A estante e a mesa não aparecem, droga de ape minusculo!)

O sofa e o móvel da TV outra vez, a metade de baixo da estante e o canto direito da mesa
(Ok, não dá pra tirar de todo o ape)

Os móveis da varanda
(A varanda sim é grande, praticamente 30% do apê é varanda, o que é bom no verão e não é uma grande vantagem no inverno)

Finalmente pendurei os quadros na parede:

Esse é importante para eu não esquecer o que realmente importa.
(Alguém consegue encontrar o erro de digitação no poster?)

Os posters que eu "peguei emprestado" dos muros de Barcelona há quase 3 anos

Agora eu posso finalmente pensar em outras coisas para gastar meu dinheiro...

Labels: , ,

[SANTIAGO] Yes, we have no Passion Fruit

3/03/2007 11:53:00 PM / Posted by Daniel Alonso / comments (0)

No domingo passado, depois de deixar a Tamara no aeroporto, eu voltei de transfer e conheci a Gladys, uma senhora de Arica que chegou a Santiago para ajudar seu filho na mudança... Nada muito interessante na conversa com ela, até que ela tira uma maracujá da bolsa (!!!) e me dá de presente.


Perguntei pra ela onde ela tinha conseguido (porque aqui em Santiago é impossível encontrar maracujá ou qualquer coisa associada a ele a não ser um sorvete da Nestlé) e ela me contou que plantava em sua casa em Arica. Fiquei extremamente contente com o presente, tanto que ela me deu outro! Obviamente passei meu email pra ela e falei que compro os maracujás que ela puder me enviar.


Maracujá sempre foi minha fruta predileta, não sei porque mas adoro qualquer coisa feita da fruta, em São Paulo bebia praticamente só suco de maracujá e nunca enjoei. Lembro que quando morei 6 meses em Barcelona eu fui no mercado central procurar a fruta e a encontrei, só que custava 64 Euros/Kg (mas neeeeem f...). infelizmente os Santiaguinos não veem o potencial da fruta e preferem os extremamente açucarados sucos de framboesa e chirimoya (fruta do conde).

Quando cheguei em casa eu imediatamente fiz um suco com um dos maracujás e o outro não passou do dia seguinte....

Labels: ,

[SANTIAGO] Cajon del Maipo

3/03/2007 08:33:00 PM / Posted by Daniel Alonso / comments (1)


No último fim de semana da Tamara por aqui eu resolvi levar-la aos Andes, para que ela, quiçá, veja um pouco de neve, que ela nunca viu. Então fomos com nossos queridos companheiros de viagem da Procter, Gui e sua patota, para o Cajón del Maipo.

Segundo os chilenos o "caixão do Maipo" se chama assim porque o rio Maipo fica encaixotado entre os andes, é basicamente onde nasce o rio, no pedregoso caminho podíamos ver milhões de afluentes, alguns lamacentos outros azuis como o céu.

Confesso que eu esperava nada mais do que um restaurante nas alturas, no meio das neves eternas dos andes, com uma comida minimalista e cara...realmente não sabia o que me esperava, só percebi quando fomos no supermercado e os chilenos compraram 6 litros de água e um monte de biscoitos.

Depois de 1 hora de estrada esburacada e uma paisagem monumental chegamos à base, que foi quando fui informado nosso objetivo e o esforço. iríamos até uma geleira que ficava a 8Km de onde estávamos...de subida. Agradeci a deus ter ido de bermuda e regata e não de jeans e camiseta como tinha pensado. A Tamara e o Gui também ficaram um pouco surpresos com o trekking proposto. Os chilenos disseram que a gente podia ir até onde aguentava e depois voltaríamos daí, mas eu já sabia que não iria parar antes de chegar na geleira, eu nunca paro.


Começamos a subir então, em meio a montes e montes de pedra e capins secos e cheios de espinhos. Os primeiros 2,5Km eram os piores, porque era a subida que dava acesso ao vale da geleira, onde o caminho ficou menos íngreme e a caminhada ficou tranquila. Andamos mais 3 Km até o lago formado pelo degelo e seguimos adiante, os membros da equipe que não estavam acostumados com tais caminhadas *cof* Tamara e Gui *cof* obviamente já estavam reclamando e pensando em parar onde fosse para esperar que a gente voltasse, mas com alguma insistência e assistência eles seguiram adiante...


Depois de 3 horas de caminhada chegamos a geleira, que estava esquálida e diminuta, resultando de um verão forte e sem tréguas. Eu sinceramente esperava mais, porque de longe as montanhas cheias de gelo prometiam uma espetacular geleira e no final era um fiozinho de gelo e mais nada....quase nada, porque ao chegar perto das cavernas por onde desciam as águas do degelo percebi que as cavernas não eram de rocha e sim de puro gelo! A geleira era grande sim, só que estava inteira coberta por rochas e não permitia aquela vista colossal de blocos de gelo azulíssimos e quebradiços sob o sol...

As cavernas...

...aparentemente de rocha...

...mas eram de gelo...

...que derretia criando uma das nascentes do rio.

Paramos ali para descansar e encher as garrafas com água do degelo (que era uma delícia! Melhor do que a engarrafada que compramos no supermercado), os chilenos subiram até a neve, eu fiquei embaixo para não deixar a Ta sozinha e depois de uma meia hora voltamos. No caminho de volta a vista era ainda mais bonita, porque o sol se escondia entre as montanhas e o jogo de sombras que ele criava era nada menos que espetacular.

Olhando pra trás...

...e para frente.

No, fim, somados 16Km percorridos em 5 horas, mas algumas bolhas no pé, roupas sujas e pó, muito pó, fomos comer na melhor pizzaria da cidade, obviamente sem tomar banho e com as roupas da caminhada, pois assim é mais gostoso...

Labels: , , , , ,